Bioquímica

Do que são feitas e como funcionam as sacolas oxi-biodegradáveis?

A partir da revolução industrial, surgiu uma desenfreada utilização de polímeros pelo homem, gerando um crescente problema ambiental, já que alguns demoram muito tempo para se degradarem na natureza, tendo-se como exemplo considerável as garrafas PET (poli – tereftalato de etileno) e as sacolas plásticas. O tema é debatido pela mídia e autoridades nos dias atuais, abordando a poluição da natureza e a capacidade de decomposição dos mesmos, como a discussão que ocorre sobre a utilização de sacos plásticos em mercados.

tempo-de-degradacao-do-lixo

Polímeros são materiais constituídos por cadeias longas de unidades repetidas, que, agrupadas, os tornam mais difíceis de serem decompostos. São encontrados na natureza e como exemplos podemos citar a parede de vegetais, que é constituída principalmente de celulose (polímeros de glicose) e a quitina (polímeros de n-acetilglicosamina), que ocorre em diversos organismos, sendo o principal componente da parede celular de fungos e exoesqueleto de artrópodes (como insetos).

Com o aumento da demanda por polímeros, surgiu a preocupação do destino desses objetos, seja por meio da reciclagem ou da utilização de materiais que levem menor tempo para se degradarem naturalmente. E, desse modo, surgiram os biopolímeros. Estes sofrem decomposição através das atividades enzimáticas de microrganismos, vírus, bactérias e outros seres biológicos, onde a decomposição é catalisada, diminuindo assim seu tempo de vida no meio ambiente. Seu processo de fabricação consiste na substituição das suas unidades monoméricas inicialmente constituídas por material obtido do petróleo (não – renováveis) por materiais renováveis como polissacarídeos. Geralmente estas unidades renováveis de carbono são derivadas de plantios como, por exemplo, a cana de açúcar.

Um dos mais notórios tipos de polímero biodegradável é o polímero de amido, também chamado de amido termoplástico. Este apresenta maior empregabilidade nos dias atuais, sendo utilizados em alguns produtos de ampla circulação como sacos de lixo, filmes para proteger alimentos, fraldas infantis, hastes flexíveis com pontas de algodão para higiene pessoal. Uma de suas aplicações mais úteis está na agricultura, onde o mesmo é utilizado na cobertura de solos e recipientes para plantas, reduzindo, desse modo, o tempo de degradação na natureza. Este tipo de material também está inserido no ramo farmacêutico, no preparo de cápsulas de medicamentos. Utiliza-se ainda, os biopolímeros usados em talheres, pratos e copos descartáveis, bem como na fabricação de materiais escolares.

As sacolas plásticas são constituídas por PEAD (polietileno de alta densidade). Esse tipo de polímero pertence à família das poliolefinas e é um dos usados atualmente devido a sua versatilidade de aplicações. Por outro lado, é inerte ao ataque de microrganismos, impossibilitando assim sua assimilação e consequente biodegradação em um espaço de tempo mais curto. Como forma de minimizar os impactos gerados pelo descarte dessas sacolas, iniciou-se a utilização de aditivos pró-oxidantes, que podem ser incorporados durante o processamento normal do polímero, sendo capazes de induzir o processo de oxidação, quebrando a cadeia do PE (polietileno) e facilitando o processo de degradação pelos microrganismos. Isso faz com que o tempo de degradação de cerca de 450 anos diminua para menos de 2 anos. Assim, quando esse material é processado com aditivos pró-oxidantes, recebe a denominação de oxi-biodegradáveis.

Uma vez o material tenha sido descartado, a degradação oxidativa (iniciada por: calor, UV ou tensões mecânicas resultantes do ambiente) é acelerada, causando sua “quebra” em moléculas menores que reagem com o oxigênio. Os fragmentos moleculares oxidados podem ser umedecidos por água (hidrofílicos), diferentemente do polímero base. Esses fragmentos menores são então degradados por microrganismos.

oxibiodegradaveis

Apesar de as sacolas oxi-biodegradáveis terem todas essas vantagens, não resolvem totalmente o problema, pois apenas se decompõe na presença de oxigênio e isto nem sempre é uma realidade em lixões ou aterros sanitários. Assim, se estiveres pensando na melhor forma de contribuir à sustentabilidade do nosso ambiente, a melhor opção continua sendo levar sua própria sacola ao fazer suas compras, talvez aquela sua mochila querida, já utilizada em outros momentos, além de diminuir a produção de lixo facilita carregar seus produtos. Portanto, não espere um “tour” na América do Sul ou uma viagem à Europa para ser um mochileiro, comece agora mesmo!

Para armazenar o lixo a ser descartado, os sacos biodegradáveis são uma opção interessante, só não se esqueça de separar aquilo que pode ser reciclado e dar o devido destino a esse material.

Abaixo um vídeo interessante e explicativo sobre o plástico oxi-biodegradável.

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s